Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

PORTUGALd'antigamente

- TRADIÇÕES - CURIOSIDADES - HISTÓRIA - LENDAS - PORTUGALdantigamente ....

PORTUGALd'antigamente

- TRADIÇÕES - CURIOSIDADES - HISTÓRIA - LENDAS - PORTUGALdantigamente ....

A Mais Bela HISTÓRIA de AMOR em PORTUGAL

Recuemos até ao século XIV.

A grande beleza de Inês de Castro causou espanto na Corte.

 

 

Pedro e Inês viveram o que ainda hoje se diz ser a história de amor mais bela e mais trágica que a Terra alguma vez viu.

 

Apesar ser casado com Dona Constança, Dom Pedro apaixona-se por Inês, que correspondeu a este sentimento e os dois vivem um romance adúltero sem igual.

 

Quando Dona Constança, a esposa de Dom Pedro, morreu de parto, o herdeiro da Coroa sentiu-se livre para viver o seu romance e casar com Inês, mas o Rei nunca o permitiu.

Diz-se, no entanto, que o casal teria casado em segredo e que Inês era a legítima esposa de Pedro. Os dois viveram juntos em Coimbra e tiveram vários filhos.

 

A influência que os irmãos de Dona Inês de Castro pareciam ter sobre Pedro e o perigo dos descendentes bastardos do casal tomarem o lugar do herdeiro legítimo, filho de Dom Pedro e da falecida Dona Constança, começou a assustar o Rei.

Por isso ele encomendou o assassínio de Inês.

Um grupo de homens encarregou-se de matar Inês e diz-se que esta terá sido degolada ou apunhalada em frente aos filhos, implorando misericórdia aos assassinos e ao Rei.

 

A lenda afirma que na Quinta das Lágrimas em Coimbra, onde Inês foi morta, a cor vermelha que ainda hoje vemos nas pedras da Fonte das Lágrimas são marca do sangue vertido por ela.

 

pedro-ines-love-story-historia-amor-fonte-das-lagr

 

Fonte das Lágrimas na Quinta das Lágrimas, Coimbra

 

A morte de Dona Inês deixou Pedro devastado e furioso. Diz-se que estava disposto a iniciar uma guerra com o pai, mas a sua mãe terá intercedido pela paz. Apesar de ter prometido que não perseguiria os responsáveis pela morte de Inês, quando o seu pai faleceu e Dom Pedro subiu ao trono, mandou imediatamente capturar os assassinos.

 

A fúria de Pedro era incrível e o seu maior desejo era vingar a morte da amada. Os assassinos foram torturados e Dom Pedro infligiu-lhes uma morte macabra ao arrancar-lhes o coração, pelo peito e pelas costas. A lenda diz que o terá feito com as suas próprias mãos e que terá depois comido os seus corações.

 

Aclamando Inês como Rainha de Portugal, diz-se também que Dom Pedro terá exumado o corpo da amada, vestindo-o das mais belas roupas, colocando-o no trono, coroando-a e obrigando a nobreza a beijar a mão de Inês.

 

Dona Inês teria sido sepultada inicialmente em Coimbra. No entanto, Pedro ordenou a construção de um túmulo merecedor da realeza de Inês, ao qual se iria juntar o de Pedro.

 

Os corpos dos dois amantes foram sepultados no Mosteiro de Alcobaça, digno de acolher os restos mortais dos reis.

 

pedro-ines-love-story-historia-amor-tumulo-dom-ped

 

Túmulo de Dom Pedro I, Mosteiro de Alcobaça

 

Os túmulos encontram-se voltados de frente um para o outro para que, quando chegar o dia do Juízo Final, os dois amantes se possam ver imediatamente.

 

 

 

 

 

Primeiro navio português afundado na Grande Guerra

O caça-minas Roberto Ivens 

RobertoIvens_IlustracaoPortuguesa.jpg

 

A 26 de Junho de 1917 perdeu-se o caça-minas Roberto Ivens, durante uma missão de rocega na barra do rio Tejo.

 

Na explosão que causou o seu afundamento desapareceram 15 elementos da tripulação, incluindo o seu comandante, o Primeiro-Tenente Raul Cascais.

Os 7 sobreviventes foram recolhidos pelo rebocador Bérrio, que nesse dia o acompanhava em missão.

 

O caça-minas Roberto Ivens, juntamente com o patrulha-de-alto-mar Augusto de Castilho, afundado a 14 de Outubro de 1918 entre a Madeira e os Açores pelo submarino alemão U 139, constituem as duas únicas perdas de navios de guerra da Armada Portuguesa durante a Primeira Grande Guerra.

 

Em ambos os casos os afundamentos exaltaram a opinião pública em Portugal.

No primeiro, a traiçoeira explosão de uma mina ao largo de Lisboa, no segundo, um combate desigual com um inimigo superiormente armado.

A Marinha de Guerra perdeu assim dois navios e 23 homens, nos dois episódios que se tornaram os mais célebres do envolvimento português na guerra no mar.

 

 

 

Ilustração Portuguesa de 6 de Agosto de 1917 – Notícia sobre o afundamento do Roberto Ivens

 

 

Cite como: Paulo Costa, "O caça-minas Roberto Ivens", A Guerra de 1914 - 1918, www.portugal1914.org

 

 

Os Parodiantes de Lisboa

QUEM AINDA SE LEMBRA?

 

A formação dos Parodiantes de Lisboa surgiu a 18 de Março de 1947

O primeiro programa desenvolvido e apresentado pelo grupo teve o seu início na Rádio Peninsular e chamava-se "Parada da Paródia" e ia para o ar às Terças-feiras pelas 20h.

 

QUEM ESCUTAVA JAMAIS PODERÁ ESQUECER .....

 

Parodiantes de Lisboa.jpg

 

Nesse mesmo ano, foi para o ar, no Rádio Clube Português, o programa "Graça com Todos", que se transformou no programa radiofónico nacional com maior longevidade, permanecendo no ar por 50 anos, e de maior cobertura além-fronteiras, chegando a ser transmitido simultaneamente, a nível nacional, nas cidades de Lisboa e Porto e na Madeira, e a nível internacional, em muitas estações estrangeiras dedicadas a emigrantes, bem como em Angola e Moçambique.

 

 

Dentro do programa havia vários sketchs, com o fantástico "Rádio crime" (sempre apresentado de forma fenomenal e com o patrocínio Chaves do Areeiro) onde estrelavam o Patilhas e Ventoinha.

Eram sempre uns casos com muito pouco mistério e umas confusões sempre com maus resultados para o pobre ajudante do chefe detective.

Os efeitos sonoros ao longo do programa (quase sempre feitos por eles), à voz da mulher em alguns dos sketchs e às piadas fáceis com um final óbvio mas que nos divertia imenso.

 

A 18 de março de 1997, exactamente 50 anos depois da sua formação, os Parodiantes de Lisboa acabaram, por decisão de Rui Andrade, contra vontade do seu irmão, José Andrade.

Mais sobre mim

foto do autor

contador visitas

(ajude o nosso blogue)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

popAds

adsense